The Voice – A Batalha (primeira)

Comecei uma batalha pessoal na segunda-feira. Estava me sentindo meio para baixo. Parecia que o clima da agência tava pesado. Não gosto quando as pessoas que me apego precisam ir embora, mudar de trabalho. O engraçado é que elas nem sabem como isto mexe comigo.O trânsito estava uma loucura. Invadi um pouquinho a faixa de pedestres depois de esperar pelo sinal abrir e fechar pela quinta vez. Simmm, eu estava errada, mas fiquei naquele mesmo quarteirão por 1 hora e 15. E quando consegui andar um pouquinho sem atrapalhar ninguém um senhor passou por mim tão nervoso (as veias do pescoço saltavam) e berrando: – Quem você pensa que é para fechar um cruzamento? Eu pedi desculpas o que alimentou mais ainda o mal no seu coraçãozinho e desencadeou uma série de xingamentos que eu apenas consegui responder com: – Bom dia para você também. Eu sou um pouco (muitooooooo) influenciável. Então passei o dia rezando pra praga não pegar.

A terça foi um tanto pior. Já comecei chorando e não sabia o motivo. Achei que tinha alguma coisa de errada com meus hormônios, com o aumento do preço do combustível ou com o fato da minha irmã estar indo embora para morar na França. A noite foi meu limite quando minha amiga de Ribeirão, a Leca, esteve em Sampa mas não conseguimos nos ver.

Na quarta tinha uma longa conversa com o maridão que entendeu minha carência absurda e me deu altos conselhos, cafuné. A noite mamy linda ia chegar. Eu estava eufórica e ansiosa. Mas só de estar na presença dela sabia que tudo ia melhorar. Foi fofo ver a preocupação dela com a Nati que até ontem não sabia nem arrumar uma mala sozinha. Nada de conversas profundas. Mamy pediu para eu não passar medo nela, apenas incentivar, sem essa de dar conselhos de irmã mais velha.

E ontem chegou o grande dia. Também o dia do The Voice. Aquele momento de colocar minha mãe do meu lado direito e meu nego do lado esquerdo em um sofá de 2 lugares foi o auge da minha semana. Das 6 apresentações que tiveram, só não acertei 1 dos ganhadores. Ou seja, estou torcendo para as pessoas certas. Mas ainda não sei para quem estão torcendo. Me dão uma dica?

Ontem minhas apresentações preferidas foram sem dúvida as do time do Lulu. Emocionantes, chorantes.

Vai aí o look da Claudinha para não perder o costume. Ela apostou numa super tendência que você encontra com um preço mais acessível na nova coleção da C&A. Combinou jeans com dourado. Engraçado como toda roupa chama muito atenção, mas o que incomoda mesmo os homens são as master argolas.

 

Anúncios